A cruz e o túmulo vazio

. .

"...Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá." (João 11.25)

 

Nunca antes, nem depois, ocorreram duas cenas tão contrastantes na História humana!  Na sexta-feira santa, Jesus Cristo foi pregado na cruz do Calvário e ali aviltado, humilhado e perfurado. Morreu como um ladrão. Aparentemente, um trágico final! Porém... três dias depois, ele foi em glória devolvido da morte. Ressurgiu dos mortos e está vivo para reinar para todo o sempre! Há nessas duas cenas, lições importantes e duradouras!

 

"Parece, mas não é!" - Na sexta-feira, Jesus foi vítima inocente do ódio dos religiosos e das autoridades de Roma. Sua causa parecia ter sofrido derrota total e sua vida fora destruída. Nesse clima, ocorreu a ressurreição, que colocou em foco o fato de que ele não era um fracassado, mas sim um vitorioso! No Calvário, entre aparente escuridão, derrota e tragédia, ele cumpriu sua suprema missão ao estabelecer a pedra angular de redenção, sobre a qual premanece seu reino eterno.

 

Precisamos nos lembrar sempre da lição que podemos tirar do contraste entre a sexta-feira santa  e o domingo da ressurreição. Em nossas vidas, somos confrontados com dificuldades aparentemente intransponíveis, fracassos e desapontamentos. Muitas vezes isso aparenta um retrocesso; portas parecem se fechar, o mal parece estar prevalecendo. Você e eu chegamos a imaginar se Cristo é mesmo o Senhor Soberano sobre todas as coisas! Não podemos permitir que nada disso nos tire do alvo. "Nem tudo o que parece ser, é!"

 

O Atual nem sempre é o Final - Aprisionaram Jesus. Imediatamente Ele passou às mãos do inimigo. No mesmo dia morreu e antes que a noite chegasse já estava enterrado. Outro capítulo da História estava sendo escrito. Aquele pôr-do-sol foi somente um prelúdio para a nova e radiante manhã. Quando a página  foi virada, a situação já estava diferente. Jesus triunfara contra seus inimigos e estava totalmente vivo...

 

Quero, agora me dirigir a você que se encontra frustrado, sentindo-se derrotado atravessando pressões financeiras, crises conjugais, profissionais, com ministérios fadados a não progredir, ou seja lá mais o que se enquadre nesta lista, ligado a retrocesso, aflição emocional, perda humana ou material etc. Não se esqueça dos dois maiores contrastes das páginas da História humana: Acruz do Calvário e o túmulo vazio!

 

Pense Nisso: O poder que ressuscitou a Jesus Cristo da morte é o mesmo poder que habita em nós e há de nos capacitar a enfrentar as dificuldades e circunstâncias da vida.