Tempo de Ser Família: Qual é o propósito da família?

. .

 

"Portanto, estai atentos para que o vosso procedimento não seja de tolos, mas de sábios, aproveitando bem cada oportunidade, porque os dias são maus. Por isto, não sejais insensatos, mas entendei qual é a vontade do Senhor"

Efésios 5.15-17
     

O mês de Maio é um mês especial para nós Batistas e especialmente para nossa igreja porque é o Mês da Família. A cada Domingo teremos uma mensagem especial pregada pelos pastores da igreja focando áreas diferentes da vida familiar: o propósito da família, o tempo de perdoar, tempo de criar filhos saudáveis e tempo de cuidar e proteger nossas famílias. Temas fundamentais para reflexão, formação da família e manutenção da família. 

Nossa igreja possui um ministério voltado para as famílias que nos têm desafiado a refletir sobre estes assuntos. Nosso primeiro desafio é desvendar o propósito da família. Uma questão basilar e fundamental. Vejamos o porquê.

O tempo é, sem dúvida alguma, um dos nossos maiores patrimônios. Muitos são incapazes de fazer esta relação, mas é hora de pensar: negociamos nosso tempo o tempo todo, e a maneira como lidamos com ele revela quem somos, quais são nossos valores e quais são as nossas prioridades. O sentimento de que estamos perdendo nosso tempo e de que estamos deixando de lado o que é mais importante, revela que somos dominados por forças outras e que não dominamos nossas vidas. Quando esta falta de tempo afeta a família é que nossos prejuízos são de fato os maiores. É muito comum ouvir conselheiros familiares que falam de um tal ¨tempo de qualidade¨, um paliativo para a falta de tempo e a invencível culpa que carrega o coração de quem não consegue estar tempo suficiente com sua família. A Bíblia chama de tolo que não sabe fazer bom uso deste recurso imprescindível e fundamental: o tempo. É preciso sabedoria e, mais ainda, coragem, para refazer nossas agendar e prioridades.

Alguém já disse que para quem está perdido sem saber para onde ir qualquer caminho serve. E é verdade. Jesus, por exemplo, ao afirmar que só é possível chegar a Deus por meio dele, porque ele é o Caminho (João 14.6), deixou claro que ele é o modelo e a única referência para chegar a Deus. Um Caminho certo, seguro e único. Quando lemos o texto sugerido de Efésios e seu contexto posterior, que trata diretamente das relações da família, temos a partir de 5.21 até 6.9, que nos ordena a nos sujeitarmos uns aos outros no temor de Deus, vários ensinamentos e ordenanças sobre as relações da família. A mulher que deve ser submissa ao marido, o esposo que deve amar sua esposa como Cristo amou a igreja, os filhos que devem ser obedientes aos pais e os honrarem e os escravos que deveriam servir seus senhores como servem a Cristo (não temos escravos mais, há relações trabalhistas diferentes hoje). O texto aparentemente aponta para as relações mais imediatas, diárias e objetivas, mas não esconde de olhares mais atentos uma verdade muito maior: que a família deve refletir as relações determinadas por Deus na Criação, ou seja, a família é o berço, o princípio e o ambiente microssocial onde os herdeiros dos Céus iniciam sua caminhada. Onde aprendem valores e a nos relacionarmos como cidadãos dos Céus.

Outra questão importante que o texto sugere diz respeito a entender a vontade do Senhor. A Bíblia, em vários momentos, e o Apóstolo Paulo, neste texto específico, parecem afirmar que os crentes sabem qual é a vontade do Senhor. Já vi quem se impressionasse ao ouvir esta afirmação: Sabemos, como filhos de Deus, qual a vontade do Senhor! Infelizmente lutamos contra ela o tempo todo buscando nossos próprios interesses e nos desviando da vida e da via que nos está proposta. E, por que podemos afirmar que conhecemos a vontade do Senhor? Porque ela está claramente revelada em sua Palavra. Deus criou o homem para louvor de sua Glória. A mulher, tirada de suas costelas para lhe corresponder e ser sua ajudadora. Deu-lhe a ordem para se multiplicar e encher a Terra dominando-a. O ordenou a não adorar outro deus qualquer e manter as relações sociais em igualdade, honestidade e respeito. Fazendo isto o homem é abençoado e bem-aventurado em tudo que faz. Quando fugimos do propósito do Senhor pagamos o alto preço das consequências.

Se entendemos que precisamos dominar e fazer bom uso do tempo, priorizando a formação de uma família para a glória de Deus e conhecendo os fundamentos e objetivos do Senhor para uma família, já temos boa parte do caminho andado.

Uma promoção no trabalho e um salário mais alto, ou talvez a autonomia (que não existe!) de um negócio próprio, são oportunidades muito tentadoras. Um bom carro na garagem e muitos bens imóveis também, mas nada pode ser mais valioso que a família. Não levamos nenhum destes bens para o Céu, mas nossa família sim. Infelizmente, por falta de compreender o propósito da família, muitos fazem sua família gravitar em torno de suas conquistas e não o contrário. Nossas conquistas é que devem gravitar em torno de nossas famílias. ¨Nenhum sucesso nesta vida compensa o fracasso familiar¨ (anônimo).

Todos nós temos problemas familiares. Jamais conheci alguém que estivesse plenamente satisfeito com a sua família. Sempre há ressalvas e observações. Precisamos entender que estamos em formação, formação para o Céu, formação para o Reino de Deus. Sempre haverá o que aprender, o que sofrer e o que alegrar. O que não podemos é abandonar nossas famílias para correr atrás do vento.

Que o mês de Maio seja uma benção. E aproveito para desejar a todas as mamães um Feliz dia das Mães!

Pr. Júnior Martins
Maio de 2019